domingo, 3 de julho de 2011

A new concept - Um novo conceito fitness - retirado do blog da atleta Lara Suliano


    O fisiculturismo é um esporte que ao longo dos anos veio decaindo. Principalmente no que diz respeito às modalidades femininas. O esporte começou a partir de um corpo esbelto e com sutil tônus muscular até chegar num verdadeiro freak show (me desculpem o termo). Como que um esporte pode crescer sem que o ídolo seja vendável à maioria? Todo  esporte cresce com a indústria em volta, seja esportiva, fitness, de nutrição, de cosméticos, de vestuário e por aí vai. Os atletas tornam-se ícones, representam a imagem de uma marca , são o espelho de muita gente e se tratando de um esporte voltado para a beleza, o fisiculturismo  tem perdido sua força entre a maioria. Como que uma mulher de corpo masculinizado irá ser espelho de uma massa? Como que uma imagem desse tipo será vendável?
Quando era criança, lembro de uma propaganda de eletrodomésticos, da Walita se não me engano, que usou a imagem da mulher fisiculturista para vender mais aparelhos. A fulana de tal (bem masculinizada) não tinha o espremedor de laranjas em casa e ficou assim. A beltrana (outra mulher bem musculozona) não tinha batedeira em casa e ficou assim. A Walita, bom a Walita tinha todos esses eletrodomésticos em casa e ficou assim: imagem de uma mulher bonita, sexy e feminina. Vocês lembram? Eu lembro. Nossa quantos anos eu tinha? Nem sei, mas com certeza foi uma daquelas coisas que a gente vê quando criança e nunca esquecemos.

A crise no esporte estava clara. Embora todo o esporte de alto nível exija genética, o uso abusivo de anabolizantes, a incapacidade irreversível de gerar filhos e um teste hormonal que não mais lhe caracteriza como uma mulher com certeza foram fatores que levaram a apenas uma restrita minoria a apreciar o esporte. O esporte feminino virou um verdadeiro engodo sexual.

E ao imaginar que o mesmo esporte começou assim, Liza Lyons - uma das primeiras bodybuilders:

Mas vamos levar em consideração que a estética é algo que pertence à cultura da própria época. A mulher bonita da época seguia o padrão mais cheinho. E um visual deste com certeza impressionava quem o via. Porém, seria apenas um novo padrão de beleza, de vanguarda digamos assim. Mulheres musculosas na medida e feminina estamparam capas de revistas masculinas. Pois suas imagens eram vendáveis. Inclusive uma lutadora, com corpo musculoso, Chyna, foi recorde mundial até hoje em venda de revista masculina. Até chegarmos a geração atual: músculos são sexy, sim!

Com a crise no esporte estabelecida  a grande sacada dos organizadores foi acrescentar categorias novas, primeiramente o Figure e então Bikini, que acabou por modificar a categoria Figure e a novíssima Physique - o meio termo entre Figure e Bodybuilder. E paralelamente existem vários shows do tipo bikini model search - com certeza deu um up no esporte e o abriu para um novo público. Garotas com o perfil remoto do fisiculturismo, hoje competem na categoria Bikini e é sucesso. Já assisti shows com mais de 200 inscritas em apenas Bikini.
Uma das competidores em Bikini que compete no circuito do Musclemania é a Natalia Muntean (por que que toda Natalia é bonita?) A morena é russa, mas tem toda pinta de brasileira e tem um corpo de modelo com curvas que é a proposta do Bikini.

O Figure então caracteriza aquela mulher malhadora de aspecto mais tuff digamos assim. Você encontra em toda academia. Mas exige mais dedicação à dieta e treinamento, você simplesmente não pode nascer pronta. É uma mulher que com anos de treinamento atingiu um certo grau muscular sem modificar a essência do que é ser uma mulher (característica do Figure americano). Fato esse que faz o Figure bombar tanto quanto o Bikini aqui. Em alguns shows vejo até ter mais competidoras em Figure.





A tri-campeã 2003-2005 do Olympia em Figure e ainda da época em que não existia a categoria Bikini chama-se Davana Medina. A moça simplesmente tem um corpo trabalhado e definitivamente dentro do padrão aceitável, embora ela tenha se apresentado em determinados momentos com um corpo pesado. Mas sem dúvidas em off um corpo bonito de se ver.

 Ao contrário das brasileiras que parecem ter perdido a noção. Porém a categoria Toned parece estar abrindo o esporte para as mulheres malhadas mas ainda sim femininas, pena que não tem salto alto né? O descontexto é tão grande, que as duas categorias novas Physique aqui nos EUA e Toned no Brasil, entraram para balancear as categorias porém em níveis diferentes. A Physique é o meio termo entre Figure e Bodybuilders e a Toned é o meio termo entre Biquini e Figure (bodyfitness). E assim abrir o esporte para mais um nincho de mulheres.





Mas no meio de toda essa estética estranha do Brasil existe uma atleta brasileira que simplesmente é MARA!
Alessandra Barata Pinheiro é o nome da moça. Venceu o Arnold Festival Amador na categoria dela e não ganhou o overall não sei porquê. Ela está pelo menos a 6 anos competindo (pelos registros dela na net, não tenho os dados oficiais) e simplesmente acho a proporção do corpo dela perfeita. Tá tudo na medida, nem mais nem menos.
conheça o blog da Lara clicando aqui:



Um comentário:

  1. Os aparelhos da Precor são de primeira linha http://www.gymcorp.com.br

    ResponderExcluir